Saiba tudo sobre Juliana Jucá, a stylist queridinha de NY

Ju Jucá

Peças sem estampa são melhores para se ter no closet por serem mais fáceis de combinar. Esse é um ótimo exemplo, a stylist apostou nas texturas mas ficou no preto e off-white.

A famosa bolsa off-white que a stylist não larga mais.

Ju aposta em peças que têm como estilizar com várias produções Como essa blusa Balenciaga.

Mais um street style de Ju.

A stylist no Brazil Foundation em NY.

Sasha Meneghel e Ju Jucá.

As Jus! Juliana Pães e Ju Jucá em NY.

Mais uma da dupla!

Mais uma de produções monocromáticas com materiais e tecidos diferentes para dar aquele tcham!

Sabe aquele moletonzinho surrado? Fica ótimo em produções como está!

21/01/2019 - por We Pick

Ela é linda! Mas não é só mais um rosto bonito na internet. Inteligente, super educada, muito criativa e talentosa, Juliana Jucá, só tem 26 anos, mas tem em sua lista de produções trabalhos com celebridades como Juliana Paes, Sasha Meneghel – de quem é BFF – e Marina Ruy Barbosa. Além das celebs, a bagagem e dedicação vêm conquistando cada vez mais clientes, brasileiras e americanas, trabalhando como Personal Stylist e Personal Shopper em Nova York. 

A stylist acredita que através da moda conseguimos entender melhor nossa essência, nos expressar e tem em destaque nos seus sonhos fazer um projeto para meninas com baixa auto-estima, para ajudá-las a criar autoconfiança através da Moda e Estilo de Vida. Além disso, Ju Jucá destaca a importância de se vestir bem para a imagem que passamos no cotidiano. Trabalha desde os 17 anos no universo fashion, já morou na Inglaterra e quando voltou ao país assumiu a gerência de uma famosa marca brasileira. Hoje, passa seus dias em Nova York, onde pode viver e respirar moda, sua grande paixão.

 Pedro Buzzatto destrincha o estilo e vida da stylist em uma entrevista exclusiva para o We Pick. Vamos conhecer mais sobre ela?  

– Quais foram os seus maiores desafios e suas maiores conquistas como stylist?

JJ- Os desafios existem todos os dias, não tem nenhum maior que o outro. As minhas maiores conquistas são o reconhecimento e a confiança das minhas clientes, elas acreditam em mim e no meu trabalho. É gratificante quando consigo identificar o estilo e desejo de cada uma delas. A partir daí, as coisas fluem naturalmente!

– O que você usa para inspiração nas suas produções e o que nunca falta nelas?

JJ-Vivo diariamente em sites de moda como: Farfetch, FORWARD by Elyse Walker, Intermix, Patron of the New… Acompanho quase todas as revistas pra me manter antenada. Acompanho também todos os Fashion Weeks mundo afora! Inclusive, aqui em NY, participo de alguns eventos na semana de Moda sempre que posso. Nunca pode faltar uma boa maquiagem e bons acessórios numa produção.

– Qual foi o pedido mais bizarro, o mais engraçado e o mais difícil?

JJ-O mais bizarro foi roupa de grife para cachorro. O mais engraçado foram produtos de sexshops. E o mais difícil foi achar o vestido para um tapete vermelho.

– Qual sua ligação com a moda?

JJ-A liberdade de ser quem você quiser! Sempre gostei de me produzir e tinha uma noção de combinar peças de roupas que faziam me sentir bem e bonita. Desde então, decidi que queria fazer outras mulheres se sentirem bem também através da Moda.

– Nós (finalmente) estamos vivendo uma onda de empoderamento feminino. Você acredita que a moda está seguindo essa tendência? De que forma?

JJ-Sim! Super! E já vem acontecendo há bastante tempo. Desde a época dos biquínis. Não é de hoje que a mulher usa a Moda para se expressar. Nunca vou me esquecer em 2015, o desfile de primavera da Chanel com um protesto encenado pelas modelos com alto-falantes nas mãos e cartazes pelas ruas de Paris! Logo depois, desfile de outono da Dolce & Gabbana celebrando a feminilidade: “mulheres podem ser tudo“. Em 2016, foi a vez da Missoni que estava apoiando os fundadores do Projeto Pussyhat, trazendo conscientização para a Marcha das Mulheres. E um que deu o que falar foi o desfile da Dior, que criou as famosas t-shirts: ‘we should all be feminists’ na coleção primavera/verão de 2016. A moda é uma forma de expressão e acho que ajuda muitas mulheres a serem quem elas quiserem.

– Nosso país passa por um momento delicado. Você enxerga isso também na moda? Qual sua visão sobres esses aspectos e impactos no seu trabalho?

JJ-Aqui em NY não vejo muitas mudanças, pois a Economia anda bem. Mas senti uma mudança sim com as minhas clientes brasileiras. Por causa da crise no Brasil e o aumento do dólar, elas não deixaram de consumir Moda, mas optaram por peças e acessórios mais acessíveis. E conseguimos fazer um bom trabalho também. É possível fazer um mix com peças de diferentes preços e montar looks incríveis!

-Quem são seus ícones de moda e por quê?

JJ-São muitas, mas adoro a Anna Wintour, Carine Roitfeld, Gisele, Hailey Bieber… Anna, porque ela, na minha opinião, é o maior ícone da moda. A Carine, porque ela é o clássico, o sexy e o fashion. Gisele por sua personalidade, seu amor com o planeta e com o próximo. Hailey Bieber, porque é a modelo mais maravilhosa de street-style, “she kills the game”, amo o estilo dela.

– Além da moda, o que mais você gosta de fazer na vida?

JJ-Adoro a minha rotina diária… Acordar, tomar um bom café da manhã e fazer alguma atividade física antes do trabalho. Quase sempre faço meditação. Como hobbies, gosto de ler, sair pra comer e conhecer novos restaurantes. E ver novas séries na Netflix! Amo cinema com meu namorado, ele é viciado em ir ao cinema e jogar videogame(risos).

– Qual seu maior sonho profissional e o recado que você tem para dar pra jovens que estão começando?

JJ-Meu maior sonho é poder viajar o mundo trabalhando, conhecendo pessoas e culturas diferentes. Poder aprender e dividir experiências. Um recado para as meninas começando: se especializem em uma área que vocês realmente amem, não dividam suas ideias com qualquer pessoa e não desistam nunca dos seus sonhos.

– Como é morar em NY?

JJ- É mágico! Nenhum dia é igual ao outro. Sem dúvidas é um lugar que te faz uma pessoa mais forte! Vivo novas experiências e aprendo muito todos os dias. É maravilhoso, mas não é fácil! Me identifiquei muito com a cidade, pois aqui se respira moda em todos os lugares. Você vê gente de toda parte do mundo e como elas se vestem. É inspirador! Você é livre para usar o que quiser sem se preocupar em ser julgado. Além disso, tudo acontece aqui na área de moda com lojas de praticamente todos os melhores estilistas do mundo, além de marcas novas e cool que não encontramos em outros lugares… AMO! Além da beleza da cidade é claro.

– Qual a diferença do estilo da mulher brasileira para mulher nova-iorquina?

JJ- Em geral, as brasileiras são muito mais vaidosas, produzidas e antenadas! Não é a toa que estamos vendo muitas brasileiras dominando o mundo da moda. A nova-iorquina tem momentos, gostam de moda, mas não investem tanto quanto as brasileiras.

– Tem dicas para garimpadas fashion em NY?

JJ- Eu adoro a The Real Real, é um brechó de luxo com bons preços e excelente qualidade.

– Tem dicas de lugares legais para se conhecer em NY?

JJ-Café da manhã no Sadelle’s pra quem ama o tradicional café americano, com direito à bagel e deliciosas panquecas. É do mesmo grupo do Carbone, um dos meus italianos favoritos que também vale muito a pena conhecer (somente com reserva). Um passeio de helicóptero e ver a cidade de cima. É lindo e o final do dia é a melhor hora. Quem gosta de comida japonesa, o BONDST é o meu favorito. Quem quiser um drink diferente deve ir no Angel’s Share. Um dos muitos speakeasies(bares escondidos) da cidade. Quem já conhece NY e ama comer, eu super indico pegar um carro/uber e ir para Upstate NY e conhecer o Blue Hill Farm em Stone Barns, que foi considerado um dos 50 melhores restaurantes do mundo! Uma super experiência gastronômica. Só falei em comida né ? Sou taurina! E pra relaxar o Aire Ancient Baths, um spa MARAVILHOSO em Tribeca. Eu gosto sempre de ir no Whitney Museum no Meatpacking. No momento estão com uma exposição incrível do Andy Warhol.

– Tem uma Wishlist? O que tem nela e porquê as escolhas?

JJ-Bolsa da Balenciaga que diz ‘EU AMO TECHNO’ – Eu adoro música eletrônica! Um cardigan da marca italiana ALANUI, porque tem uma vibe boho chic. Uma bota cowboy da Fendi, adoro essa vibe ‘western’, que continua firme e forte.

Bate-bola com Jucá

– It bag ou várias peças de fast fashions: It bag. Porque é um acessório que vai elevar e ser usado em quase todos seus looks.

– Um pecado fashion: Bolsa e Sapato.

– O que não pode faltar no seu armário: Calça Jeans.

– Se tivesse que escolher uma única marca para se vestir eternamente: Alexander Wang.

– NY ou Rio de janeiro: NY, por ter sido a cidade que fez eu me tornar quem eu sou hoje.

– Já usei, mas nunca mais: Nunca diga nunca NE? Mas calça cintura baixa por não me vestir bem.

– Não usei, mas quero: Bota Cowboy.

– Melhor garimpada fashion: Minha camisa da Balenciaga no The Real Real.

– Item que mais valeu a pena: Bolsa da Off-White. Uso tanto que quase não troco mais de bolsa.

– Dica para uma produção barata e linda: Não precisa gastar muito para fazer uma produção linda. Hoje, temos muitas marcas bacanas como Zara, H&M e outras que investem em tendência, as chamadas Fast Fashion… Podemos usar peças atuais e mais baratas. Acredito que em toda produção é importante um make e cabelo arrumado. Evitem roupas estampadas. Os tecidos lisos podem ser usados de diversas formas e combinações. Para finalizar, não esqueçam dos acessórios para completar a produção.

1 comentários

  1. Cris Rey disse:

    Adorei a reportagem e AMO essa stylist, faz um trabalho super bacana, Parabéns!!!

Deixe seu Comentário