Casar vai muito além da festa de casamento

Nicole Kopenhagen

Nicole Kopenhagen

Casamento
24/09/2014 - por Nicole Kopenhagen

Assim que ficamos noivas, a primeira coisa que nos perguntam é se já temos data marcada para as comemorações e, a partir do momento em que reservamos a igreja e o salão, o “ano da noiva” passa a ser uma grande contagem regressiva em que o noivo é mero coadjuvante (quase nem falamos nele né!? Rsrs – sendo que sem ele, nada aconteceria) e os assuntos são puro glamour, festas, bebidas, presentes, vestido, viagem…

PAREM UM POUCO. RESPIREM!
RESOLVI LEVAR VOCÊS PARA UMA PEQUENA JORNADA QUE GOSTARIA QUE TIVESSEM FEITO COMIGO QUANDO EU ESTAVA NOIVA!
Vamos à origem do casamento?

Nos primórdios dos tempos, no antigo sistema patriarcal, “os pais casavam os filhos” e o amor pouco importava, uma vez que a decisão começava e terminava nos pais. Eles tinham até que ceder uma parte do seu património (casa e terras) para o sustento e a moradia da nova família. A cerimônia de casamento nasceu na Roma Antiga e incluía o ritual da noiva se vestir especialmente para a cerimônia, o que acabou por se tornar uma grande tradição. As coisas mudaram e evoluíram; e hoje, podemos escolher nosso próprio companheiro de vida e 90% das mulheres escolhem por AMOR, certo?! (fui boazinha com 90% né rsrs, u know what I mean). Anyways, temos o livre arbítrio de escolher o marido por motivos pessoais. E isso é tão maravilhoso!!! Os tempos evoluíram TANTO. O problema é que a indústria evoluiu junto e, hoje, a coitada da noiva ‘tem que’ contratar um milhão de fornecedores para fazer uma festa bacana e tradicional, não é mesmo!? Não!!!

Casar vai MUITO além da festa de casamento. CASAR vai muito além de qualquer definição. De uma coisa eu tenho certeza: depois da festa de casamento, depois da bajulação, dos “1000 amigos”, dos drinks, depois que a lua de mel termina, quando os dois voltam para a casa, para a realidade, é que o casamento de fato COMEÇA.

Você noivinha, quando disse SIM, o disse porque finalmente encontrou sua metade, não é!?
Penso que o ser humano só pode existir em paz consigo mesmo se puder se relacionar com uma pessoa a quem diga, com palavras e gestos, “EU TE AMO” e de quem ouça com total sinceridade: “Eu TAMBÉM te amo”. É com essa pessoa que nos casamos. São nessas palavras que encontramos nossa força para encarar as dificuldades do dia-a-dia. É por esse amor verdadeiro, companheiro que nos casamos. E é o AMOR que queremos comemorar. Não só na festa, mas TODOS os dias das nossas vidas.
Para mim não há nada mais gostoso que terminar um dia de trabalho, olhar para o lado na cama e ver o meu melhor amigo.

Casamento é grude? NÃO!!!!! Pelo amor de Deus não! Só se o casal ambiciona o ódio mútuo rsrs.
Casamento é a união de duas vidas distintas, duas pessoas que conseguiram se encontrar nesse mar de gente e que possuem inúmeras afinidades, que gostam MUITO de conversar uma com a outra, que valorizam a opinião uma da outra mais do que tudo, se respeitam, que adoram fazer amor uma com a outra, e que resolveram “juntar as trouxinhas” porque viver separado não faz mais sentido (a conta telefônica já é quase um aluguel e dormir sozinho já não tem mais graça)!

Casar não é fácil e está longe de ser um conto de fadas. Casar supõe evoluir todos os dias! Conhecer o seu companheiro cada vez melhor e construir com ele um lugar no mundo em que as pessoas, ao entrar, sentirão que ali existe vida, carinho sincero, vontade de acertar e acima de tudo AMOR!

Minha vózinha, casada por 62 anos, muito sábia me diz que o segredo no fundo, é renovar o casamento e não procurar um casamento novo. Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal. De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. De tempos em tempos, é preciso voltar a namorar, a cortejar, a seduzir.

Ela me diz que nós, acima de tudo devemos ter PACIÊNCIA e TOLERÂNCIA, pois não existe a tal estabilidade no casamento. O mundo muda, você muda, seu marido, seu bairro e seus amigos também mudam. A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma “relação estável”, mas sim saber evoluir junto. Eu e meu marido brigamos? Sim. Pelos motivos mais ridículos que vocês possam imaginar. Eu me arrependo de ter casado com ele? Nem por um segundo. Casar é difícil mas é lindo, é escolher um co-autor para as páginas em branco que estão por vir. E com AMOR, o “felizes para sempre” fica bem mais fácil.

Então, noivinhas, quando estiverem organizando o casamento de vocês, não percam de vista o real motivo da celebração, que é AMOR. E o verdadeiro amor não precisa de muito no dia da festa. Ele precisa de cuidados todos os dias, como uma flor precisa de água.

“A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos…

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum, é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos.

Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.”

É isso, noivinhas!!!!
Beijos e até semana que vem!
@blogbride2be

3 comentários

  1. Joyce Gomes disse:

    Amei !!! Sem palavras 🙂
    É isso que quero pra mim !!!

  2. Rogéria disse:

    Texto sensacional!
    Parabéns!

  3. Nicole, parabéns pelos textos repletos de realismo e honestidade. Me identifico muito com suas idéias. Para mim, você produz os melhores textos do WePick. Parabéns, mais uma vez.

Deixe seu Comentário